vício em açúcar
0 Gostou

Vício em açúcar? Sim, isso existe – e tem solução também!

Muita gente vem me falar que é “viciada em açúcar” e que não consegue de jeito nenhum deixar o danado e que, por isso, não emagrece. Enquanto ouço outros dizerem que isso é “desculpa” ou “falta de vergonha na cara” (o famoso “coisa de gordo safado”).

Pra começar esse post, assistam a esse vídeo da Universidade da Califórnia sobre o “vício em açúcar” e os efeitos que essa substância provoca no nosso corpo, explicando por que é tão difícil nos desligarmos dele:

O vídeo falar por si só, mas pra complementar e ajudar vocês, eu ainda fui trocar uma ideia com a nutri que me acompanha atualmente, a Renata Merlino – e que como muitos sabem me trouxe pra uma linha alimentar que segue os princípios da LCHF (já até falei sobre isso aqui neste post).

Lembrando que “açúcar” é um termo muito amplo dentro da Nutrição e envolve toda uma cadeia de carboidratos (até mesmo a frutose e a lactose, que também são açúcares). Mas para não complicarmos demais, neste post vou me ater apenas aos doces e açúcares refinados, que são as tentações da mairia das pessoas, ok?

Identificando o vício

Renata Merlino: Um teste muito simples: se a pessoa não consegue ficar um dia sem comer algo que contenha açúcar, ela possui o vício. O grau do vício vai variar de pessoa para pessoa.

Por que é tão difícil “desviciar”?

RM: Porque ele é altamente viciante do sistema nervoso e possui propriedade relaxantes e excitatórias ao mesmo tempo. Também acho que existe uma questão muito cultural quanto ao açúcar por ele representar o que chamo de “comfort food”*

*Comfort food é aquela comida que nos conforta nos momentos mais difíceis – quem nunca se afundou numa barra de chocolate depois de terminar um namoro, perder o emprego, ou até mesmo durante a tpm ou às vésperas da entrega de um projeto importante na faculdade ou no trabalho?

“Rehab”

RM: Para quem quer se desligar do açúcar, recomendo ir aos poucos: inicialmente, alternar os dias de consumo do doce. E, após isso, buscar orientação nutricional para continuar esse processo da maneira mais adequada, sem traumas, nem déficit de nutrientes.

Limpando o corpo

RM: O tempo pra se “desintoxicar” dura geralmente de 3 a 7 dias, com sintomas que variam conforme o “nível do vício” da pessoa, mas as principais queixas são: dores de cabeça, ansiedade e compulsão alimentar, além de episódios depressivos ou de oscilação de humor.

Pelas experiências com meus pacientes, em aproximadamente sete dias o vício se desinstala. Por outro lado, já vi pessoas que demoram meses. Como disse, tudo depende do quão viciado está o cérebro do paciente e de vários outros fatores individuais de cada um de nós.

Fugindo das “pegadinhas” do cérebro

RM: Minha dica principal é nunca suprir a fome com algum alimento doce. O cérebro vai pedir açúcar, assim como pediria álcool a um dependente desse tipo de substância. O que temos que fazer é ir contra isso e fornecer algo salgado de preferência pra educá-lo de maneira que não associe momentos de cansaço ou tristeza com picos de insulina/glicemia provocados pelo açúcar.

Ciclo vicioso: entenda por que é tão difícil parar de comer açúcar

Importantíssimo: cortar o açúcar de uma vez, radicalmente, não funciona para todos da mesma forma. Para algumas pessoas, isso pode levar a comportamentos compulsivos que vão colocar tudo a perder, iniciando um novo ciclo de frustração, baixa autoestima, insegurança, medo da comida, ganho de peso, etc etc. Inclusive, tem post aqui no blog explicando a relação entre dietas restritivas x compulsão alimentar.

Se você é uma dessas pessoas que precisa ir aos poucos (e não há nada de errado nisso, acredite), você pode começar com alguns passos: eliminando os industrializados da sua rotina e optando pelo açúcar natural dos alimentos (por exemplo, a frutose das frutas).

Além do ciclo vicioso do açúcar, ainda enfrentamos uma questão cultural e emocional muito forte envolvendo o açúcar. Já repararam que somos “educados” a comer açúcar desde pequenos? E quando falo de açúcar nesse caso, não me refiro apenas aos doces, mas aos carboidratos refinados em geral. Muitos de nós, quando crianças, ganhávamos de presente por “bom comportamento” um McDonalds, sorvete, batata frita, balas de goma, um copo de refrigerante e por aí vai. Tô mentindo? Se você não é um desses casos, agradeça aos seus pais porque isso vai te ajudar muito 🙂

E se esse processo for muito difícil pra você, não hesite em buscar ajuda de um nutricionista ou nutrólogo e até mesmo de um psicólogo (comigo, a terapia me ajudou a identificar os gatilhos da compulsão alimentar e a entender a comida não é o problema, e sim um sintoma químico – como explicado no vídeo – ou emocional). Façam tudo com saúde e equilíbrio que o resto vem naturalmente, podem acreditar!

Pra mim ainda é bem difícil ficar 100% livre de açúcar refinado. Eu me esforço ao máximo, mas ainda não me considero “curada” desse mal. Tenho fases em que o desejo bate forte e nem sempre consigo permanecer inabalável, mas hoje as minhas vitórias já são bem mais numerosas e constantes do que as derrotas. Além disso, me esforço para não ficar me culpando pelos desejos de doce ou até mesmo pelas escorregadas, porque acho que essa culpa é um stress que leva a gente a querer comer mais ainda aquilo que a gente se proíbe consumir, né?

E por aí? Vocês têm dificuldade de ficar sem açúcar também, ou é mais tranquilo comparado a outros alimentos? Quais as suas dicas pra superar a compulsão e o desejo por doces?

Aproveite que chegou até aqui e leia também:

+ Cortar açúcar é mais benéfico do que cortar calorias

+ Por trás da obesidade: açúcar e carboidratos, não a atividade física (ou a falta dela)

9 Comments

  • Fran

    October 28, 10 2015 03:41:42

    Amei esse post Tici….apesar de sempre ter sofrido o inverso: tentar engordar, sempre fui viciada em açúcar.
    Tô cansada de saber que ele faz muito mal, mas das vezes que diminuí o consumo experimentei a abstinência como de drogados msm…fiquei com uma dor de cabeça infernal e mal humor, bastou comer um docinho pra melhorar…q raiva!!!!
    O vídeo ajudou a esclarecer muito o que acontece com a gente…bem didático.
    Parabéns pela qualidade de seus textos!!!
    Fran

    • Ticiane Toledo

      December 09, 12 2015 06:52:51

      Obrigada, Fran! A abstinência do açúcar é horrível! Mas depois que passa, é libertador! Super beijo.

  • Nicolle

    October 28, 10 2016 05:17:06

    Tenho uma pergunta, se quero parar de comer açúcar consumir no máximo 10g de mel por dia pode me ajudar ou eu apenas estaria atenuando o vicio?

    • Ticiane Toledo

      November 18, 11 2016 11:10:28

      Mel se comporta como açúcar no corpo, bioquímica e fisiologicamente falando. Então na verdade você precisa saber como você reage. Tem gente que sabe lidar super bem com mel, mas não com açúcar refinado. Eu, Ticiane, prefiro não usar nenhum dos dois no dia a dia. Mel é exceção pra mim também, mas não o encaro com medo não, é só uma opção minha mesmo diante dos meus objetivos pessoais.

O que você achou?