Os
2 Gostou

Os 5 estágios emocionais da corrida

Em pouco tempo, venho vivendo uma experiência bastante intensa (e apaixonante) com a corrida. Pra quem quer começar ou ainda tá no início desse relacionamento, compartilho com vocês o que eu chamo de “os 5 estágios emocionais da corrida”:

1. Medo e dúvida

“Será que corrida é pra mim? Não sei, não consigo nem correr 200m sem ficar sem ar”

Esse era o medo que ficava na minha cabeça o tempo todo quando tomei a decisão de começar a correr (já contei pra vocês a história AQUI).

O fato é: a gente não quer falhar. Não queremos mais uma frustração na vida. Não queremos ver mais uma tentativa morrendo na nossa frente. Não queremos passar por situações “ridículas” de iniciantes e nos sentirmos vulneráveis. Por mais que a gente saiba que tudo isso é uma baita de uma bobeira.

Além disso, eu também tinha dúvidas sobre meu comprometimento com os treinos, afinal, na academia eu vivia dando “migué” – sempre tinha uma desculpa, um motivo que me fizesse matar o treino, nem que fosse ficar em casa no sofá com uma dor de cabeça inventada (sim, eu era dessas).

Mas eu fui, e me arrisquei mais uma vez. É como dizem: “Tá com medo? Vai com medo mesmo!”

2. Aceitação

Esse foi o momento em que eu aceitei o desafio de sobreviver aos primeiros 30 dias de treino. Na minha cabeça, se eu passar pelo primeiro mês, consigo levar o hábito adiante.

Logo que cheguei aos primeiros treinos com a galera da GO, já me senti em casa porque todos foram muito acolhedores e aquela sensação de “ok, fique tranquila, você tá fazendo a coisa certa” veio em pouco tempo enquanto eu caminhava com meu coach amado, o André, e ele ia me explicando toda a parte teórica dos treinos de corrida. E quando eu vi que tinha muita técnica envolvida e que não era apenas uma questão de “levar jeito pra coisa”, eu fui ficando mais confiante de que tudo ia ficar bem.

3. Dor e desconforto

Sim, todo começo é desconfortável. Sentia falta de ar, cansaço, a sensibilidade do pós-operatório do joelho, o corpo mais pesado também parecia não colaborar com nada – ritmo, movimento, fôlego, nada. Mais caminhava do que corria e comemorava a cada 100m corridos a mais na conta.

Depois essa fase inicial passa e vem um breve momento de conforto antes de ficar ruim de novo. Afinal, a corrida é movida a desafios: aumentar distância, diminuir tempo, ganhar mais força e resistência…

4. Êxtase

O primeiro momento de êxtase com a corrida aconteceu quando fiz minha primeira prova ever: a WRun, em março de 2014, em SP. Também já contei AQUI pra vocês sobre essa experiência.

Foram os 4k que mudaram a minha relação com a corrida: conseguir correr esse percurso sem andar e sem morrer tanto era o que eu precisava pra engatar de vez na coisa. A sensação de conseguir me entregar a um desafio, que até então pra mim parecia coisa de outro mundo, foi uma das melhores que eu ja senti. Aquela sensação de que a gente consegue qualquer coisa quando se dedica e supera o medo de falhar.

5. Comprometimento

Quando dizem que corrida vicia, é verdade. Depois que fui oficialmente picada pelo bichinho da corrida, não consegui mais abandonar o páreo. Fizesse chuva ou sol, eu tava lá, treinando firme e forte – e evoluindo, consequentemente, pra minha alegria. E com isso, muitas coisas foram melhorando no meu dia a dia: saúde, corpo, humor, energia, disposição, foco, produtividade, vida social e até mesmo esse blog que vocês tão lendo agora.

"Corra com o seu coração, não apenas com as suas pernas"

“Corra com o seu coração, não apenas com as suas pernas” (imagem: eu mesma)

Na verdade, acho que esse ciclo se repete a cada estágio que a gente avança nos treinos, a cada novo desafio. O legal é que o final feliz já é uma certeza quando a gente se dedica a fazer tudo certo. Pelo menos pra mim, passar pelo medo e pelo desconforto é garantia de que lá na frente eu vou ficar super feliz e mais comprometida (e apaixonada) pela corrida. E isso me motiva a seguir em frente!

 E aí: conseguiram se identificar? Ou pelo menos conseguiram se inspirar pra superar algum dos estágios em que vocês estejam hoje? Com vocês é igual ou teve algum estágio diferente?

Aproveite e leia meus outros posts sobre corrida AQUI.

Smacks!

6 Comments

  • Virginia

    December 01, 12 2014 08:47:21

    Bom dia Tici, como é bom ler os teus artigos e ver que o começo não é fácil pra ninguém… vou compartilhar a tua história com as meninas no facebook.com/correguriatresdemaio, elas vão adorar, assim como eu.
    bjos e boa semana

    • Ticiane Toledo

      December 01, 12 2014 01:26:55

      Vi, que bom que você curtiu e se identificou! Acho que todo começo de algo novo (ainda que seja correr, que é um instinto natural nosso) é difícil, mas a gente tem que perder o medo de arriscar. É nessas que a gente descobre as coisas boas da vida 🙂 E conforme vamos pegando o jeito, vamos aumentando nossa confiança em nós mesmos e aí parece que as coisas vão ficando fáceis – mas na verdade é a gente que tá mais forte, mais resiliente. Tomara que suas amigas curtam! Depois pede pra elas deixarem um recadinho aqui me contando o que elas acharam, pls?

      Beijocas e ótima semana pra você também!

  • Patricia Gomes Procópio

    April 27, 04 2016 12:28:43

    Super me indentifico no começo passei por todas essas fazes que vc comentou mas o resultado é gratificante digo sempre que corro com a alma e o coração as pernas só responde o comando de ambos quando se tem amor e determinação o sucesso é a recompensa

    • Ticiane Toledo

      April 29, 04 2016 03:19:10

      Oi Patricia! Disse tudo: corremos com a alma e o coração nos pés. Adorei sua contribuição! Bons treinos, querida =)

O que você achou?