meia maratona rj vida fit ticiane toledo #go21k
1 Gostou

#GO21K: recalculando rota

Eu escrevi a abertura desse texto várias vezes, mas nenhuma introdução me deixou satisfeita.

Na verdade, acho que introdução nenhuma me agradaria hoje, porque nada nos consola quando temos que enfrentar uma decisão tão difícil quanto desistir de um objetivo com o qual você tanto sonhava.

Hoje, 16 de julho, com muita dor no coração, eu desisti de correr a Meia Maratona do RJ. Faltando exatos 10 dias para a prova, eu desisti daquilo com o qual eu vinha sonhando ao longo dos últimos 365 dias.

Os treinos da #GO21K começaram em maio. Poucas semanas depois, vieram as dores no quadril, primeiro o lado direito e depois o esquerdo também. Não vou me estender sobre o assunto porque já falei disso aqui, ó.

E com as dores, vieram as várias tentativas – algumas bem sucedidas, outras não – e muitos re-planejamentos de planilhas e manobras de treinamento, fisioterapia e medicamentos para que eu chegasse à linha de chegada e pudesse me tornar Meia Maratonista na prova mais bonita do Brasil.

A Meia Maratona do RJ seria a cereja do bolo, a coroação de tanto tempo de dedicação e disciplina que eu incorporei à minha vida antes mesmo dos treinos da meia começarem, graças à chegada da corrida na minha vida.

Mas hoje eu saí da negação e finalmente aceitei. 

Hoje eu aceitei a minha dor física. Até então, eu e ela estávamos brincando de esconde-esconde: eu tapava o sol com a peneira daqui, mas ela sempre escapava por ali, e assim fomos tentando uma convivência amigável. Mas não deu.

Hoje eu aceitei a minha dor emocional. A dor da frustração, da revolta e, de certa forma, do “luto”.

Hoje eu aceitei que recuar não significa fraquejar.

Pelo contrário: nossa determinação e nossa força apenas se confirmam nesses momentos. Porque só sendo muito forte pra abrir mão de um desejo particular e calar o ego. Só sendo muito determinada pra sair de campo e abandonar (temporariamente) o jogo pensando em voltar melhor e, assim, continuar fazendo o que amamos.

Fácil? Longe de ser. Eu já desisti de muitas coisas até hoje, mas desistir dessa prova em especial foi uma das mais dolorosas.

Até chegar aqui, passei por muitos e muitos dias de revolta. Em todos eles, eu me perguntava “por que eu?”. Quem explica o motivo disso acontecer logo comigo, que tanto me exercito, me cuido, me fortaleço, me preparo e me informo? Logo comigo que amo estar em movimento, que amo correr e que faço tudo com tanto carinho e dedicação? Não explica. Não é fácil aceitar que as coisas acontecem com a gente, sim, e que não há muito que se possa fazer a respeito, a não ser aceitar e lidar com o que vier.

Nesse momento, eu escrevo esse post com lágrimas nos olhos, por mais bobo o motivo possa parecer a muitos de vocês que me leem.

Escrevo não pra me lamentar ou pra ganhar a piedade de vocês, muito menos pra alimentar a minha auto-piedade.

Escrevo porque acho que sempre aprendemos lições das situações, em especial das adversidades. Assim como eu estou tentando aprender as minhas, espero que vocês consigam usar isso como exemplo e até mesmo motivação quando/se, um dia, vocês também precisarem abrir mão de um sonho/meta em detrimento de algo maior do que o seu ego e suas vontades.

E quando esse “algo maior” é a sua saúde, não pensem duas vezes. Ouçam os sinais que o corpo nos manda. Ninguém melhor pra conhecer nosso corpo como nós mesmos. E ele fala com a gente, por mais que a gente queira fingir que não ouviu por conveniência e teimosia. Ele é único e, por isso, é especial. Você e seu corpo vão viver juntos até o fim dessa vida, então cuide dele como se fosse o seu bem mais precioso – porque ele é, de fato. 

Outra lição importante é criar menos expectativas em cima do futuro, porque TUDO pode acontecer. Planejamentos estão aí para serem modificados e não para serem estáticos e definidos, já diziam meus professores de Marketing. Tenha foco, mas saiba aceitar as mudanças de percurso. Seja teimosa quanto ao seu objetivo, mas flexível quanto aos seus métodos para chegar até lá.

Bom, provas estão aí o ano inteiro, todos os anos, e agora preciso focar na recuperação pra poder atingir o meu próximo alvo: a W21K, em outubro, em SP. E ano que vem tentarei de novo a Meia Maratona do RJ, com certeza.

Racionalmente eu sei disso tudo, tenham certeza. Emocionalmente eu sei que estreiar em outra prova não vai ser igual a estreiar na Meia do RJ, nem pelo cenário, nem pela energia, nem pela expectativa que foi gerada em cima dessa ocasião. Mas ok. Vida que segue, corpo que descansa e coração que se acalma.

Não poderia encerrar esse post sem agradecer a todos os amigos, leitores e seguidores do Instagram que me deram tanto carinho gratuito e apoio nos momentos bons e nos não tão bons assim que tivemos até aqui.

E obrigada, em especial, aos queridos treinadores e amigos da GO: em especial ao Celso por me ouvir, por contar piadas pra eu parar de chorar e por me ajudar a enxergar o copo sempre meio cheio; ao André, que me treina desde o meu primeiro passo na corrida e que cuida de mim com tanta paciência, carinho (e alguns chutes e porradas, né? hahaha brinks) e não deixando a minha peteca cair; e aos amigos de equipe que, treinando pra Meia do RJ ou não, sempre torceram por mim.

Amo vocês! ♥

O sonho da meia maratona não morreu. Agora nós vamos amadurecê-lo pra que ele seja realizado com ainda mais qualidade e alegrias. E aí, as lágrimas serão de felicidade apenas!

Keep rockin’

#GO21K minha primeira meia maratona rio de janeiro

Sobre a #GO21K

A ideia da #GO21K é relatar as minhas experiências e também trazer posts informativos sobre temas relacionados ao treinamento da Meia Maratona do RJ. Todos os posts relacionados aos meus treinos, podem ser encontrados pela hashtag #GO21KSP no Instagram e aqui no blog também =)

Ah! E enquanto eu fico off da corrida, acompanhem os treinos da Dani Germano pela hashtag #GO21kRJ.

Quem sabe vocês não se animam também, né?

Lembrando que os leitores do blog têm direito a 15 dias de treinamento FREE com a GO, tanto presencialmente aqui em SJCampos quanto a distância. Então aproveite o embalo e vem com a gente!

* Para treinamento presencial (apenas São José dos Campos), acesse: http://bit.ly/free-sjc

* Para treinamento a distância (online), acesse: http://bit.ly/free-on

7 Comments

  • Gustavo Torres Machado

    July 16, 07 2015 05:18:44

    Oi Ticiane, não sou muito de comentar aqui mas vivi coisas muitas coisas parecidas com vc ultimamente. Também sou de sjc e planejava correr a meia do rio esse ano, mas tive que desistir já faz um mês também por causa de dores. Assim como você, já rompi o ligamento do joelho (aliás dos dois) e desde então sempre que volto a treinar e estou perto de atingir meus objetivos, algum estiramento ou outra dor aparece. Mas não desisto, semana passada já voltei a correr. Enfim, vi o seu texto e fiquei menos desanimado ao saber que não acontece só comigo e achei que poderia te ajudar também você saber que não é a única 🙂 Boa recuperação e siga em frente e não desista!

    • Ticiane Toledo

      July 20, 07 2015 12:16:27

      Oi, Gustavo! Fiquei muito feliz com a sua mensagem de apoio e aliviada por saber que você passou pelo mesmo que eu e que não foi por isso que desistiu. Aliás, eu nem penso em desistir, sabe? É só aquela tristeza mesmo, aquela sensação de ter “morrido na praia”. Lidar com a frustração não é fácil, por mais que a gente já venha se preparando pra uma possível desistência ou algo do tipo, né? Pode ter certeza que sua mensagem me confortou e me deixou otimista novamente! De verdade, muito obrigada! E melhoras contínuas pra você também pra poder continuar correndo e conquistar seus objetivos!

O que você achou?