dicas de vida saudável para períodos de stress
1 Gostou

Faca na caveira: 6 dicas para sobreviver aos períodos mais insanos

Quem me acompanhou pelo snapchat ticianetoledo e pelo instagram @ticianetoledo (se você não me segue por lá, por que não aproveita agora pra dar um follow e ver o que eu apronto fora do blog, hein? ♥), pode ver um pouco da correria que eu vivi nas últimas duas semanas – a última em especial. O motivo? Semanas de provas na faculdade.

A última semana, do dia 28/9 ao dia 2/10, em especial, foi bastante cansativa: muitas horas de estudo, poucas de sono, sem falar nos treinos, jobs e a agenda que continuaram em andamento + os afazeres domésticos de sempre (cozinhar, lavar, passar, limpar o apê e cuidar do marido que voltou do RJ gripado). Ufa!

Pois é. Isso porque eu não tenho nem filho pra cuidar, hein? Se tivesse, tava pior ainda. Por isso, mamães, vocês têm meu respeito e admiração eternos.

Eu tinha esquecido como era esse ritmo doido de provas, estudos, trabalhos, etc. Mas eu sobrevivi e, entre mortos e feridos, salvaram-se todos!

Aqui, no meu dia a dia, pra dar conta de tudo, eu tomei algumas decisões que eu quero compartilhar com vocês porque pode ser útil pra alguém =)

Vamos lá:

1. Organize o seu tempo

Organização é TUDO, a gente já sabe. Se é fundamental no dia a dia, imagine então quando nossas 24h são cronometradas? Não tem outro jeito: é preciso se organizar. E aí, a forma de organização é bastante individual.

Eu, particularmente, gosto muito de consultar o blog Vida Organizada, da Thais Godinho, que dá dicas extremamente válidas pra quem, como eu, tem dificuldades de se organizar ou anda precisando dar um power up na organização da vida diária, do trabalho ou até da casa. Além de posts com dicas mega úteis, a Thais – uma querida! – ainda compartilha com a gente algumas planilhas e checklists pra download gratuito (aqui, ó: Guia para começar a se organizar) e, agora, ela tem até cursos gratuitos pra quem deseja ou precisa se aprofundar mais. Então vale a pena acompanhar o Vida Organizada e seus posts diários!

Eu já sou leitora assídua e fã do trabalho da Thais =)

2. Organize a sua comida

Essa organização de tempo também inclui a nossa comida, afinal, ninguém quer perder o tempo precioso preparando comida, higienizando tudo todo santo dia, cortando, cozinhando etc. Neste post aqui eu já tinha dado algumas sugestões de como organizar a alimentação ao longo da semana pra evitar que a falta de tempo tire o nosso foco e seja desculpa pra gente sair fora do planejado.

E quando falo pra gente evitar de sair fora da alimentação, não tô falando apenas em questão de emagrecimento. Acredite: a comida pode ser a sua maior aliada ou a sua pior inimiga nesses momentos insanos de correria que nos exigem muita produtividade e energia. Por isso, evite os açúcares e refinados, farináceos, excesso de carboidratos e alimentos de baixo valor biológico – eles vão apenas tirar a sua energia, sem falar no peso na consciência que nessas fases não vão ajudar em nada, certo? Quanto menos peso melhor: no corpo também, mas principalmente na cabeça. E, depois, se puder adotar essas medidas como seu modus operandi, melhor ainda!

É por isso que eu vivo falando que a LCHF e a Paleo me ajudam TANTO a manter a energia e a produtividade em alta. Mantenho minha glicemia e minha insulina controladas, então tudo automaticamente se mantém controlado também. Meu humor, minha disposição, minha concentração, minha fome, minhas crises de compulsão… Uma maravilha!

Ainda vou trazer pra vocês os estudos randomizados que mostram, na prática e sob a ótica da ciência, estes benefícios. Mas enquanto não consigo trazer pra cá, sugiro que leiam alguns blogs sobre o assunto, como: blog do Dr. Souto, Primal Brasil, Sendo Paleo, Paleo Diário, Vida Lowcarb.

3. Dê foco às prioridades

Tem dias que parece que tudo é urgente, né?

Mas não é bem assim. Quando a gente encara tudo como urgência, alguma coisa está errada. Ou você não anda se planejando e deixa tudo pra última hora, ou não  sabe dizer não e acumula mais tarefas e responsabilidades do que aguenta, ou você ainda não aprendeu a definir o que é urgência, o que é prioridade e o que pode ficar pra depois.

Tudo aquilo que você se compromete a fazer são acordos com você mesma(o). E existem apenas três possibilidades para cada acordo: executar conforme o acordo foi feito, não executar ou renegociar o acordo. A escolha é sempre sua. Isso serve para tarefas mais pontuais até projetos mais elaborados. (Thais Godinho, no post: O que são prioridades e como identificá-las)

Pra ajudar a gente nisso, mais uma vez recomendo o blog Vida Organizada com suas grandes dicas e sacadas pra facilitar a nossa vida. Uma vez que temos as ferramentas, cabe a nós colocá-las em prática porque ainda não existe botão mágico que arruma a nossa vida automaticamente. Mas bem que podia, né?

Então, aprenda a identificá-las e a trabalhar em cima delas, dando prioridade ao que é fundamental pra que você consiga executar as suas tarefas e cumprir seus compromissos, prazos e metas.

E, olha, as suas prioridades são apenas suas e não cabe a ninguém julgá-las, ok? Portanto, se você agora não tem energia ou tempo suficiente pra treinar todo santo dia, OK. Faça o melhor que pode com o que tem disponível – em tempo e em disposição. Não entre nessa noia de que sua vida tem que ser perfeita como a da musa fitness do instagram. Sossega a ppk, amiga. São realidades bastante diferentes! Foca no seu caminho e segue em frente!

4. Não invente moda nesse período

Se o tempo tá apertado, não invente moda. Não invente jantares e recepções para a família e amigos na sua casa se você não tá tendo nem tempo pra treinar. A menos que isso seja algo extremamente terapêutico pra você e que não vai causar mais stress do que proporcionar boas energias, daí, ok! Cada um com a sua terapia!

Se tá corrido pra fazer comida, não me invente virar chef gourmet nesse período. Organize a sua dieta e seus alimentos básicos e manda ver!

5. Cuide da saúde

O stress tem um dos determinantes da nossa qualidade de vida e da nossa saúde.

“O campo da psiconeuroimunologia (PNI) lida com as vias de comunicação que ligam os sistemas nervoso, endócrino e imune. A pesquisa da PNI parece justificar o que as pessoas já observaram há muito tempo: nossos pensamentos, sentimentos, humores e crenças influencias nosso nível de saúde e o curso da doença. Por exemplo, o cortisol, um hormônio produzido pelo córtex da glândula suprarrenal, em associação com a resposta ao estresse, inibe a atividade do sistema imune. (…) Quando o trabalho e o estresse se acumulam, os hábitos de saúde sofrem alterações. Muitas pessoas fumam ou consomem mais álcool quando estão estressados, dois hábitos prejudiciais à função imune ideal. (…) Mesmo se conseguirmos oito horas de sono, o estresse provoca insônia. Se tossimos ou nos viramos à noite, é hora de melhorar nossas habilidades de relaxamento e de gerenciamento do estresse. Livre-se do dia antes de ir para a cama.” (TORTORA, G. J.; DERRICKSON, B. Princípios de Anatomia e Fisiologia)

Então, cuide-se. Mas cuide-se de verdade!

Isso envolve comer comida de verdade, priorizar seu descanso (neste post aqui tem dicas para uma boa noite de sono), meditar ou rezar (qualquer coisa que deixe sua mente tranquila por alguns momentos do seu dia, especialmente naqueles mais cabulosos), treinar (se você tiver tempo e disposição, claro, se não eu acho que pode mais atrapalhar o corpo do que ajudar – minha humilde opinião de leiga e praticante, ok?), fazer sexo (endorfinas!)… Enfim, qualquer coisa que faça bem pra você =)

E se você está sentindo que seu corpo não está 100%, vale a pena consultar um médico pra ver o que pode ser, just in case. Às vezes, aquela fadiga excessiva, o sono que nunca passa e até mesmo oscilações de humor podem ser sintomas de um desequilíbrio hormonal, por exemplo, que com pequenos ajustes e a ajuda da modulação hormonal já podem melhorar e muito a sua qualidade de vida. Especialmente nestes períodos.

6. Sem tempo pra treinar? Então faça a manutenção

Como eu disse, às vezes a gente forçar o corpo pra ter uma sobrecarga física num momento em que ele precisa se recuperar e se recompor, pode ser pior do que ficar quietinha na sua.

É que com essa onda fitness toda, a gente se sente na obrigação de suar, pular, correr e puxar peso todo dia, né? O tal do no pain no gain. Já até dei minha opinião sobre o que eu acho dessa “filosofia” em outro post (leia aqui). Mas, como nossas mães já diziam, você não é todo mundo. Então, não precisa agir como eles. Você tem o seu ritmo, o seu timming. Cada um de nós temos. Aceite, apenas isso.

Se você sente que o seu corpo PEDE por descanso, respeite. Isso pode evitar uma lesão ou um efeito desagradável no seu corpo, acredite. Já teve dias que eu estava cansada e insisti mesmo assim (“não posso ter preguiça, mimimi”). Na maioria desses dias, eu saí com algum machucadinho ou terminava o treino mais cansada ainda. E só fui reparando isso conforme o tempo foi passando e eu fui conhecendo ainda mais o meu corpo. Claro, nem todas as lesões foram graves, mas aquela simples entorse de tornozelo também pode ser chata pra caramba, né? Ou aquele estiramento na panturrilha que não aconteceria se você tivesse respeitado o período de recuperação do seu corpo.

É como meu treinador, o André, diz: “descanso também é treino”. E hoje em dia ele me dá parabéns quando eu digo que vou matar o treino pra descansar em casa. Pra vocês verem como são as coisas e como a gente vai amadurecendo a ponto de conhecer nosso corpo e saber o que é cansaço e o que é preguiça.

O lance não é abrir mão totalmente, e sim fazer o melhor que você tem com o o que você tem à sua disposição. Por isso, se você conseguir manter pelo menos algum treino ativo (nem que seja só um treino rápido na musculação, por exemplo), melhor pra sua saúde: os exercícios físicos dão uma força legal ao nosso sistema imune.

Essa manutenção também pode e deve ser feita com a ajuda da alimentação balanceada, que não só vai evitar que você acumule gordura nesses períodos de stress como também vai ajudar você a se manter energizada e produtiva, como eu já cantei a bola lá em cima no tópico 2.

7.  Peça ajuda (!)

O calo apertou? Peça ajuda! Sem medo!

Em sempre digo isso pra vocês porque pedir ajuda não é sinal de fraqueza e sim de força, de amor próprio. Quem se ama, respeita suas limitações e age sempre com o intuito de se cuidar.

O máximo que vai acontecer é você ouvir um não. E na melhor das hipóteses, você vai ganhar um respiro por ter alguém te ajudando em alguma tarefa ou em algum momento da sua vida. E essa ajuda não precisa ser necessariamente botando a mão na massa: pode ser apenas um apoio moral – aquela colaboração do marido em ajudar com algumas tarefas domésticas ou a compreensão dos colegas de trabalho com a sua instabilidade emocional ou baixa produtividade.

 

Vocês têm mais dicas pra acrescentar à minha lista? É só deixar um comentário aqui nesse post que eu vou atualizando com as sugestões de vocês. Assim, a gente consegue ajudar muito mais pessoas que estão precisando de uma forcinha ♥

Keep it cool!

Beijos.

2 Comments

  • Ana Moreira

    October 09, 10 2015 03:02:08

    Adoro seus posts. Sempre com muito conteúdo e humor. Bjos

    • Ticiane Toledo

      October 16, 10 2015 12:01:20

      Obrigada, Ana! Fico feliz que você goste. É tudo feito com carinho e bom humor, claro <3 Beijão.

O que você achou?