energético saúde
0 Gostou

Energéticos fazem mal à saúde?

Eu nunca fui uma pessoa notívaga. Sempre gostei de usar a minha noite para dormir, de verdade. Então, quando eu ia para a balada (das poucas vezes que fui depois dos meus 18 anos, quando comecei a beber), eu sentia que só conseguiria aguentar o ritmo se passasse a noite à base de energético e whisky (vodka e eu nunca combinamos). Hoje só de pensar nisso, me embrulha o estômago, mas na época era o que funcionava – ou eu achava que funcionava. Mas os efeitos colaterais começaram a me mostrar que esse não era o caminho (pelo menos não para mim). Taquicardia, ansiedade excessiva, ânsia de vômito, dores de cabeça, queda de pressão, tremedeira… Gente, sério, que vida é essa? Então, um belo dia me desliguei dos energéticos e nunca mais voltei a ingeri-los. Hoje, só de sentir o cheiro o meu estômago vira do avesso. 

(imagem: internet)

(imagem: internet)

Como podem ver pela minha história, esse é um assunto que merece atenção, apesar de muita gente querer permanecer na ignorância para continuar consumindo e vendendo sem peso na consciência. Tanto que em 2013, um relatório americano apontou aumento no número de atendimentos nos prontos-socorros a jovens com complicações ligadas à ingestão exagerada de bebidas energéticas. De acordo com o documento, o número de casos dobrou entre 2007 e 2011, principalmente entre jovens de 18 e 25 anos. A publicidade tem um poder de influência incrível sobre aquilo que consumimos, isso é fato. É por isso que as bebidas energéticas vendem tanto. Afinal, você também não compraria algo que promete aumentar sua resistência, sua energia, seu poder de concentração? Pois é…  Este é um dos motivos pelos quais é importante que a gente conheça melhor essas bebidas vendidas deliberadamente nos bares e baladas. 

Mas afinal, do que são feitas as bebidas energéticas?

Segundo o cardiologista Dr. Fernando Augusto Alves da Costa, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, as bebidas energéticas são compostas por substâncias com poder de excitação cardíaca, como cafeína, taurina e ginseng e, quando aliadas às bebidas alcoólicas (que é o que comumente acontece), a mistura pode se tornar uma bomba relógio. “Quando misturadas, a bebida eleva a frequência do coração, podendo causar irritação no coração, seguido de arritmia cardíaca”, explica o especialista. “A cafeína em absoluto não é considerada uma substância prejudicial. O excesso ingerido é que pode causar problemas em pessoas predispostas, ou seja, pessoas com problemas cardíacos que muitas vezes não foram diagnosticados pela fato de não causarem sintomas. Da mesma maneira, a taurina se enquadra nas mesmas condições, sendo potencialmente nociva em pessoas com alguma anormalidade cardíaca”, completa.

Consequências ao corpo

“Além da irritação cardíaca e da arritmia, também podemos citar o aumento da pressão arterial, os tremores periféricos e a agitação, que são efeitos colaterais bastante comuns nestes usuários”, diz o cardiologista.

(infográfico extraído da matéria "A bebida da balada", da Revista Época)

(infográfico extraído da matéria “A bebida da balada”, da Revista Época)

Existe um “consumo mínimo aceitável”?

Para o Dr. Costa, não existe um consumo mínimo aceitável e sim uma avaliação na quantidade de cafeína ingerida: “uma xícara de café expresso tem em média 80 a 100 mg de cafeína, que geralmente são consumidas a cada seis horas. Já as bebidas energéticas oferecem, em muitas marcas, de 3 a 5 vezes mais cafeína do que uma xícara de café – o que pode provocar aumento da frequência cardíaca, palpitações e, em alguns indivíduos com predisposição, arritmias cardíacas mais sérias”.

“O recomendado referente a composição máxima dos energéticos é: taurina – máximo 400 mg a cada 100 ml; cafeína – máximo 35 mg a cada 100 ml; álcool etílico – máximo 0,5 ml a cada 100 ml; inositol – máximo 20 mg a cada 100 ml; clucoronolactona – máximo 250 mg a cada 100 ml”, especifica.

Energéticos como estimulantes para o trabalho

Conheço muitas pessoas que se habituaram a usar os energéticos como estimulantes para aguentar uma jornada de quase 24 horas de trabalho por dia. Você com certeza também deve conhecer alguém que se enquadre nessa descrição. O que será que o Dr. Costa tem a dizer sobre isso?

(imagem: internet)

(imagem: internet)

“O café, o chá e o chocolate são bons substitutos para esses casos. O que precisa ficar claro é que o metabolismo do café no organismo humano tem peculiaridades: a cada 4 horas após sua ingestão, metade da cafeína é metabolizada. Outra xícara de café tomada neste período provoca um aumento  considerável dos níveis de cafeína no organismo, o que poderá causar efeitos indesejáveis na pessoa como perda do sono, excitação, agitação etc.”

Ou seja: você toma um estimulante para, obviamente, ter mais estímulos para produzir, mas em excesso você tem um efeito rebote e perde a concentração pelo excesso de agitação. Por isso, não se empolgue com a cafeína (seja no cafézinho ou no energético) e vá com calma, ok?

Energéticos x alimentação x esportes

Será que quem consome bebidas energéticas deve levar mais a sério os hábitos saudáveis do que aqueles que não consomem para “compensar” as substâncias ingeridas e os efeitos ao corpo? Será que o consumo de bebidas energéticas pode ter efeitos agravados pela prática de atividade física? Tantas dúvidas… 

E o cardiologista responde: “Não existe uma forma alimentar para compensar estas substâncias ingeridas. O melhor é praticar as duas coisas: dieta saudável e evitar tais bebidas de forma abusiva. Já o consumo destes energéticos e a prática de atividade física – e aqui saliento que um jovem numa pista de dança deverá considerar esta atividade como prática de exercícios –, poderá expor o organismo a arritmias cardíacas principalmente nos indivíduos com alguma predisposição para tal.”

Cuidados no dia a dia

Se mesmo assim você quer continuar fazendo uso de bebidas energéticas, aqui vão algumas orientações do especialista para minimizar (ou retardar, depende do seu ponto de vista) os danos à sua saúde:

  1. Vá ao médico e faça exames cardiológicos adequados e periódicos para verificar se você possui ou não alguma patologia cardíaca.
  2. Pratique atividades físicas. Mas atenção: os exercícios não se aplicam no sentido de conseguir “bônus” para consumir bebidas energéticas e sim de condicionar o coração, que estará mais resistentes a estímulos outros capazes de provocar distúrbios cardíacos.
  3. Após a ingestão de bebidas energéticas, adote uma conduta de “desintoxicação”: não ingira novas quantidades, beba bastante água e repouse. Lembre-se que a metabolização da cafeína é lenta: cerca de 5% a cada 4 horas.
  4. Não associe os energéticos a bebidas alcóolicas – essa é uma atitude consciente e sábia.

E se eu, Ticiane, pudesse dar uma dica, seria: alimente-se adequadamente e exercite-se regularmente. Seguindo uma conduta alimentar funcional que use alimentos e vitaminas para combater os sintomas da fadiga e do stress e aliando isso a uma rotina de atividades físicas que você goste, seu metabolismo vai funcionar da maneira correta para fornecer a energia que você necessita para trabalhar, estudar, curtir com os amigos, treinar, fazer sexo, viajar, correr atrás do cachorro que fugiu etc. Fonte saudável e duradoura de energia, e com certeza muito mais barata do que latas e latas de energético. 🙂

É bom reforçar que não estamos aqui para cagar regras a ninguém (com o perdão da palavra), mas sim para ajudar a construir um conhecimento coletivo sobre aquilo que pode ajudar as pessoas a ganharem mais saúde e qualidade de vida. Mas no final das contas, nós sabemos – e respeitamos – que 0 que fazemos ou deixamos de fazer no nosso dia a dia é individual, particular. Nossa missão aqui é apenas trazer o assunto com uma visão informativa e complementar com nossas experiências pessoais (quando houver, claro) para contribuir com vocês que nos leem aqui, no instagram, no Facebook etc. E esperamos, de coração, que vocês aproveitem isso!

4 Comments

  • Rubens

    March 27, 03 2015 10:57:38

    Olá, legal a matéria, porém não se pode generalizar, existem energéticos saudáveis sim, eu mesmo consumo todos os dias, porém sempre me preocupei com minha saúde, até que um colega meu me mostrou o produto que ele vendia, se chama EMV da monavie, é ótimo e tem 14 frutas na composição, além de vitaminas e inositol…tem também o EMV Citrus que é zero açúcar, zero calorias, zero carboidratos e com limão, laranja, maçã e extrato de guaraná, é muito bom…fica a dica…..o contato do cara que comprei é esse http://br.monavie.com/rep/ricardodelima e tem um blog também se nao me engano é assim que escreve http://produtossaudaveisnoatacadoevarejo.blogspot.com.br/ ele vende no atacado e varejo……

    Parabéns pelo site, muita informação boa aqui…

    Rogério Lima.

    • Ticiane Toledo

      March 31, 03 2015 11:38:36

      Oi, Rubens! Tudo bom? Exato, não podemos generalizar, mas no caso eu estou falando mesmo é dos excessos e do tipo de energético consumido. Existem energéticos naturais que são bacanas pro corpo, mas até mesmo estes devem ser consumidos com cautela, porque podem causar reações adversas. Obrigada pelo seu comentário =) Fico feliz com a participação e por ter curtido o blog – é tudo feito com muito carinho!

O que você achou?