dieta do hcg emagrecimento
0 Gostou

Dieta do HCG: iniciando os testes

Novidades na área, meu povo! =)

Hoje, dia 14 de janeiro, eu iniciei a minha experiência com a Dieta do HCG, sob orientação e cuidados do Dr Aloísio Vargas, meu endocrinologista querido. É uma abordagem que foca em perda de gordura, sem perder massa magra, com uma proposta bastante restritiva – vou explicar ali embaixo com detalhes.

Por que eu optei pelo HCG?

Como venho compartilhando com vocês, nessa brincadeira de tratar a tendinite do quadril com corticóides, descobrir um hipotireoidismo (sub-clínico) e ainda encarar uma disbiose intestinal, eu acabei recuperando 10kg no segundo semestre do ano passado.

Fiquei bem triste sim, não vou negar. Quem passou por um processo de emagrecimento pode imaginar como é recuperar metade do que havia perdido com tanto custo (eu havia perdido 20kg, lembram?).

Mas, por sorte, a vida foi colocando profissionais excelentes no meu caminho que estão me ajudando demais: o Dr Aloísio, a nutri Louise Hamoy (também Paleo) e meus treinadores amados da GO Assessoria Esportiva. E esse apoio me dá segurança e motivação necessária pra seguir em frente do ponto de onde eu parei.

Então, agora que já tô corrigindo a tireoide, é hora de dar mais um passo pra voltar aos trilhos: a tal Dieta do HCG.

O que é

Pra quem não conhece, HCG é a sigla em inglês para Gonadotrofina Coriônica Humana – um hormônio produzido pelas mulheres durante a gravidez. Assim que o embrião começa a desenvolver, o corpo da mãe começa a liberar grandes quantidades de HCG na corrente sanguínea, o que ajuda a manter a gestação e a vitalidade fetal através da translocação do nutrientes a partir da gordura materna armazenada pela circulação. Além disso, o HCG ajuda a manter o crescimento fetal mesmo quando a mãe está se alimentando pouco.

E realmente faz sentido usar o HCG, uma vez que o protocolo é super restritivo e propõe uma dieta de apenas 500 calorias por dia, associado à administração de duas doses de HCG ao dia (aplicável ou sublinguais).

Vejam bem: é o caso da mãe que se alimenta pouco, mas que precisa continuar funcional pra que o feto continue se desenvolvendo no útero, e por isso produz o HCG em grandes quantidades pra garantir isso. 

Mas não basta consumir qualquer tipo de alimento nessa contagem, ok? Não adianta consumir coca-cola zero ou um balde de pipoca, porque já que vamos comer pouco, então obrigatoriamente precisamos ter a garantia de que estaremos nutridas.

A Dieta do HCG foi criada pelo Dr A.T.W Simeons lá na década de 1950, com o objetivo de ajudar pacientes obesos a voltar à zona de peso clinicamente segura. Segundo os textos explicativos da dieta, o Dr Simeons conduziu milhares de casos clínicos e pesquisas em torno do protocolo ao longo de 40 anos.

Como funciona

A proposta é a seguinte:

• Os 3 primeiros dias são de dieta hipercalórica (LCHF) + HCG

• Do dia 4 ao 40º, dieta hipocalórica lowcarb lowfat (500kcal/dia) + HCG

• Ao final, mais 3 dias de hipocalórica sem o HCG (pra eliminar o hormônio do sangue)

• Nesse período, uma vez por semana tem o Apple Day: 6 maçãs verdes ao longo do dia e apenas isso, além de muita, muita água.

• Fase de manutenção com lowcarb (com o objetivo de evitar efeito rebote/sanfona)

IMPORTANTÍSSIMO: por ser uma abordagem restritiva, é imprescindível que haja acompanhamento de um médico ético e competente. Sem falar que o HCG só é manipulado/vendido com prescrição médica – e sem a administração do hormônio, é provável que só a hipocalórica não surta o efeito indesejado, além dos vários efeitos colaterais que podem surgir.

Existem várias recomendações além da alimentação, por exemplo: ingerir de 3 a 4 litros de água por dia, não usar cremes hidratantes, não fazer massagens durante a dieta, não usar cosméticos e maquiagens oleosas e por aí vai.

E a massa magra?

Por causa do HCG, os resultados em outros pacientes apontam que não há perda de massa magra. E o motivo é bem óbvio: uma vez que o HCG é um hormônio produzido durante a gravidez, imagine se as gestantes apenas perdessem musculatura ao longo dos meses de gestação? Seria contraprodutivo, certo?

Então, em resumo, é o seguinte: o que faz perder gordura é a dieta restritiva. O HCG atua mantendo a massa magra – e alguns dizem que também atua no controle da fome (isso nós vamos ver nos próximos dias).

E os treinos?

Na primeira semana de dieta hipocalórica, off total. Nada de nada.

Depois disso, pode incluir caminhadas e treinos musculares leves. O Dr Aloísio não recomenda atividades aeróbicas pra não estimular a fome e nem correr risco de sofrer de algum mal estar devido ao baixo aporte calórico.

O desafio

A hipocalórica vai ser um desafio e tanto pra mim porque com a Paleo eu me desapeguei de ficar contando calorias – realmente não acredito mais em viver dessa forma, mas pra um protocolo pontual como esse, com começo/meio/fim, beleza.

O bom é que, como o Dr Aloísio também é adepto da Paleo, ele adaptou o protocolo e aí só tem comida de verdade pra garantir que, mesmo com um aporte calórico super baixo, os pacientes estarão nutridos.

Ah, sim, comida de verdade very lowcarb e low fat também, obviamente. Não pode ter NADA de gordura, nem de açúcar nem amido.

Admito que tô com medo de passar fome o tempo todo já que não terei a segurança das minhas gordurinhas pra manter a saciedade e a energia. Mas como eu disse ali em cima, dizem que o HCG dá uma segurada no apetite. Vamos ver, né?

Eu até cheguei a pensar que esse era um caminho bastante radical e que eu poderia ter “paciência” de perder tudo de novo aos poucos (mesmo sabendo que dessa vez pode demorar mais do que da primeira vez, em 2014). Mas depois eu refleti, conversei bastante com o Dr Aloísio e percebi que hoje já tô bem mais madura com relação à alimentação e que as chances de um efeito rebote hoje por indisciplina e maus hábitos alimentares são baixíssimas.

Então, enxergo esse protocolo como uma ferramenta pra chegar a um objetivo: eliminar os 10kg recuperados pelos motivos que já citei no começo do texto, e me dar um gás pra continuar com meus objetivos.

O HCG e a dieta hipocalórica não configuram um estilo de vida. Estilo de vida, pra mim, é a Paleo – e isso eu já tenho bem claro na minha cabeça. E quanto mais eu estudo (na faculdade ou por conta própria), mais certeza disso eu tenho.

Por isso, eu tô bem confiante, por mais que a gente leia muita coisa negativa a respeito do protocolo. Mas com relação a isso eu já tô bem acostumada, porque já me habituei e ignorar as críticas com relação à Paleo e à LCHF, rsrs

Vou fazer relatos semanas aqui pra vocês com pesagem, medidas e um relato dos períodos, ok?

Vamos que vamos =)

6 Comments

  • Raquel Arellano

    January 18, 01 2016 01:39:09

    Sofri em ler o post, imaginando o quão restritiva é essa dieta. Mas é o que você deixou bem claro: não é um estilo de vida e sim um procedimento, que vai te ajudar a encaixar as coisas. Você não é aventureira, marinheira de primeira viagem. Sabe do que o corpo precisa e isso é tão importante, né? Estarei acompanhando essa jornada! 🙂

    • Ticiane Toledo

      January 18, 01 2016 03:19:00

      Sim, Hackz, você disse tudo! O lance é que já passei por reeducação alimentar, já sei qual a alimentação que melhor se adequa à minha saúde e sei que contar calorias não é como quero viver. Mas além de ser um meio pra se chegar a um fim, não deixa de ser também uma forma de gerar informação sobre o assunto pra quem tem dúvidas, né? Obrigada pelo apoio, gata!

O que você achou?