get things done fitness motivation
0 Gostou

Acorda! O mundo não vai parar por você

Hoje eu vim pra dar um chacoalhão em quem tá dando bobeira por aí e depois fica enchendo a orelha dos outros de “mimimi”. Porque, vez ou outra, sempre ouço algo do tipo: “não consigo me alimentar bem porque todo domingo tem um banquete na casa da minha vó” (daí você substitui conforme a ocasião que mais te deixa insegura/o no quesito comida x dieta) ou “não consigo me exercitar porque sempre acontece alguma coisa que me atrapalha ir à academia” (idem).

É comum a gente dar umas desculpas assim. Até eu tento me convencer disso alguns dias, sério. Mas o que você (e eu e todos nós) tem que entender de uma vez por todas é o seguinte: o mundo não vai parar por você!

Cupcakes e brigadeiros continuarão sendo produzidos e vendidos todos os dias. A cerveja continuará sendo engarrafada e vendida estupidamente gelada em todo bar, restaurante ou padaria em que você vá. A tv e a internet continuarão estampando fotos deliciosas de pizzas e hambúrgueres na sua cara. Seus amigos continuarão indo pra balada virar a noite tomando vodka com energético e comendo batata frita com bacon e cheddar até o toba fazer bico. Ninguém vai parar de comer/beber nem de produzir comida/bebida só porque VOCÊ está de dieta, só porque VOCÊ quer emagrecer ou qualquer que seja o seu objetivo.

E você nisso tudo? Qual a sua posição? “Vítima do sistema” ou a pessoa que sabe escolher o momento de cada coisa?

Quem está no controle das suas decisões? Você? A comida? As outras pessoas?

Quem está no controle das suas decisões? Você? A comida? As outras pessoas?

O mundo continua rodando e as pessoas continuam vivendo suas vidas. E a vida delas não é a sua. Não é a minha. Não é a nossa. Cada um de nós temos nossas prioridades, objetivos, valores, escolhas e consequências. Então, se você optou por mudar seus hábitos e deseja uma vida mais saudável – seja lá qual for seu motivo -, aja como tal. Não é fácil, mas também não é impossível. A forma como você encara a sua rotina determina seus resultados. (Lembram desse post? Recorde aqui)

Se você decidiu que vai se alimentar melhor e os amigos te convidam pra uma pizzada, você tem algumas opções:

  1. Fazer a sua refeição antes de encontrá-los pra não chegar lá com fome (o que aumenta suas chances de cair de boca e comer uma pizza inteira), e aguentar firme e forte, fazendo a egípcia.
  2. Ir, comer o que achar conveniente (1, 2 ou 8 pedaços?) e lidar com o possível peso na consciência sem encher o saco das outras pessoas.
  3. Recusar educadamente o convite e também aguentar as consequências. (Se forem realmente seus amigos, eles respeitarão e ainda darão a maior força; se não for esse seu caso, veja aqui algumas dicas sobre como eliminar a influência dos sabotadores sobre os seus objetivos)
  4. Pegar sua mala e se mudar pra uma ilha deserta, e viver isolada(o) das tentações.

Existem opções as opções legais, as razoáveis e as possíveis. Pergunte-se: o que é possível pra você HOJE? O que te deixaria mais à vontade? 

É uma questão de escolha. É como diz aquela música dos Rolling Stones: “you can’t always get what you want.” (“Nem sempre você terá o que quer”).

Eu queria ser rica, magra e poder comer que nem uma porca sem engordar nem brotar nenhuma celulite na minha bunda. Mas não dá. Jamais terei isso. Posso ficar rica e magra, mas nunca vou poder comer que nem uma porca sem sentir o efeito disso no meu corpo. Afinal, eu já pesei 85kg, sei como cheguei lá e sei o caminho de volta. Mas esse é um caminho que eu jamais quero percorrer de novo, e não apenas pela obesidade, mas por todo o sofrimento que ela me causou (e sei também que causou aos meus pais – e que pais não ficariam triste ao verem a filha triste, depressiva e chorando pelos cantos todo dia por milhões de paranoias na cabeça?).

Caso real 1: meu namorado não me acompanha na dieta. O que eu vou fazer? Chorar? Abolir tudo o que já consegui até agora? Trocar de namorado? Claro que não, né! A gente se ama, e ele me ajuda a seguir em frente nas minhas escolhas do jeito dele – e que, tenham certeza, é MAIS especial ainda do que se eu tivesse um namorado que comesse alface comigo.

Caso real 2: já faz pouco mais de 1 mês que mudei minha dieta, e com ela eu mudei meu corpo drasticamente nesse período. Simplesmente porque eu deixei de ser permissiva comigo mesma. Eu me dizia “equilibrada” porque podia comer de tudo, sem neuras, uma vez que já tinha me culpado demais por comer durante os anos de transtorno alimentar. Então, eu continuava comendo. E comendo. Ora, era só uma roupa nova para a compulsão alimentar! Nessa nova estratégia alimentar, resolvi cortar esse barato e cá estou, firme na paçoca (ou melhor, no creme de amendoim integral, rsrs) e transformando meu corpo, minha cabeça e minha autoestima a cada semana. Vejam as fotos (tem muito mais lá no meu instagram @ticianetoledo):

low carb dieta transformação ticiane toledo low carb dieta transformação ticiane toledo low carb dieta transformação ticiane toledo

É chato ler isso tudo? Sim. Mais chato ainda é escrevê-lo, acreditem. Mas chega um momento na vida em que a gente precisa decidir se dá ou se desce. O meio termo não é mais satisfatório. Ou melhor: nunca foi, né? Uma vida em cima do muro não evolui e fica sempre naquela temperatura morna. Sem riscos e confortável, mas sem conquistas relevantes também.

Então a minha mensagem de hoje é: decida por VOCÊ e abrace a decisão. Você não precisa se tornar refém da dieta ou do treino, mas sim coerente com seus desejos e objetivos. Não deixe que os outros decidam por você, não deixe que os outros estraguem a SUA saúde. Se a sua decisão for genuína, você irá se sentir confortável com ela e aí sim vai conseguir superar os obstáculos e aprender com eles, sem virar escravo da comida, do treino, do remédio pra emagrecer ou das circunstâncias da vida.

Porque derrapadas são normais e até mesmo inevitáveis, mas o que importa MESMO no final das contas é seu grau de resiliência e sua capacidade de aprendizado com elas. 😉

Força na peruca e muito sucesso!

 

 

O que você achou?