abdomem definido tanquinho
2 Gostou

Missão “abdômen tanquinho” – parte 1: alimentação

Você vê a foto da barriga da Bella Falconi e olha para a sua. Olha para a dela de novo, e para a sua mais uma vez. A diferença é gritante e você fica se perguntando por que o mundo é tão injusto a ponto de só ela ter tido sorte de ter aquele tanquinho e você não. Buá!

bella falconi abs barriga

(imagem: Instagram da Bella – @bellafalconi)

Epa! Peraí! “Sorte” é uma coisa que não existe aqui não, gente. O que existe é muita disciplina e dedicação. A gente te explica porquê.

O abdômen desejo de grande parte da população mundial resulta de uma conta básica que muita gente se esquece, ou ainda não sabe mesmo: 70% alimentação / 30%  treino. 

Ou seja: grande parte dos resultados estão diretamente ligados à nossa alimentação diária (sim, os finais de semana também contam, infelizmente), reforçados pela nossa rotina de treinos, que também deve ser bem regrada. Não é fácil. Por isso, a disciplina e a dedicação são essenciais para quem tem essa meta.

É lógico que você não precisa ficar bitolada nisso, e nem deve porque você é mais que uma barriga trincada. A questão é que quanto mais disciplinada você for, mais rápido verá resultados. Uma questão de sacrifício e esforço, afinal, a gente não ganha nada ficando parado, né? Com exceção, claro, dos quilinhos a mais que não pertencem a esse corpo (rs) 😛

Então vamos por passos:

Antes de tudo, a gente precisa secar as gordurinhas em excesso para que os músculos que a gente está treinando fiquem em evidência lá na frente. De nada adianta se matar de fazer abdominais se a capinha da picanha continua tampando seus lindos oblíquos, certo? E é disso que vamos falar hoje.

Independente do quanto você precisa eliminar, faça-o de maneira saudável SEMPRE, unindo um bom treino de cardio à uma alimentação hipocalórica. Eu recomendo também investir na musculação nesse período. Por dois motivos:

  1. A musculação vai preparar seus músculos e dar consciência corporal e postural que você precisa para seus treinos aeróbios.
  2. Quanto mais você desenvolve seus músculos (e por enquanto não estamos falando em hipertrofia, ok?), mais calorias seu corpo utiliza para sustentá-los. E de onde ele vai tirar essas calorias? Das gordurinhas. Isto é, se você se alimentar e treinar corretamente, se não vai cair no anabolismo (já falamos sobre isso, lembra?) e todo seu esforço vai por água abaixo.

Lembrando que tanto a alimentação quanto seus treinos devem ser sempre supervisionados por profissionais de confiança que poderão acompanhar seus resultados e dar as melhores orientações conforme seus objetivos, necessidades e dificuldades.

Aqui nesse post não vamos dar nenhuma “dieta mágica” para você seguir porque não acreditamos em dietas pasteurizadas que as revistas dão por aí para qualquer um seguir. Seria irresponsabilidade da nossa parte, diga-se de passagem. Mas vamos dar algumas dicas que não vão fazer mal a ninguém e que podem ajudar nessa fase em que a gente quer dar uma secada:

  1. Ingira menos calorias do que você gasta diariamente. É uma matemática bem simples e que faz total diferença no final das contas. Afinal, se a gente ingere mais do que gasta, esse excesso irá ficar estocado em forma de gordura – o famoso “pânceps”. Por isso, mais uma vez, procure um(a) nutricionista que possa elaborar o cardápio mais elaborado aos seus objetivos, condições de saúde e rotina.
  2. Invista nos termogênicos naturais. Eles ajudam a aumentar a temperatura corporal e, com isso, dão aquela estimulada que precisamos para queimar mais calorias passivamente. Tem post nosso sobre os termogênicos: leia aqui.
  3. Faça as pazes com os cardoidratos. Eles são seus amigos e te dão energia para treinar e para suas atividades diárias, e também ajudam a catabolisar a proteína e transformá-la em massa magra (músculos, oba!). Para isso, basta fazer uma simples troca: saem os carboidratos simples e entram os complexos. Explicamos tim-tim por tim-tim aqui neste post.
  4. Aprenda a comer menos sal. É uma “mania” do brasileiro achar que é o sal que dá sabor e tempero aos alimentos quando na verdade existem N outras especiarias que podem fazer isso pelas nossas refeições. Na verdade, o sódio em excesso só retém líquido, o que provoca aquele inchaço inconveniente no corpo todo. Isso sem falar no mal que faz para quem tem pressão alta, né?
  5. Conheça e identifique os tipos de gorduras. Existem as gorduras do bem e que você deve consumir (como o ômega 3, encontrado no salmão) e as gorduras do mal e que você deve evitar: frituras e queijos amarelos, por exemplo. Para quem não vive sem queijo, uma dica bacana é observar a cor do laticínio: quanto mais amarelo, mais gorduroso; quanto mais branco, menos gordura. Mas vale lembrar que se você tem intolerância à lactose, os queijos mais brancos, apesar de mais saudáveis, podem ser piores do que os amarelos para a sua alergia. Por isso, consulte um(a) nutricionista de confiança.
  6. Não precisa eliminar o açúcar, apenas reduza-o. Tem gente que é muito radical e acha que para emagrecer é preciso eliminar de vez o açúcar, mas na verdade ele é necessário para o nosso corpo (lembra da história sobre os carboidratos serem nossos amigos? Então!), desde que seja obtido por meio de fontes saudáveis (como a frutose, açúcar natural das frutas, por exemplo) e consumido em doses moderadas. Se você não vive sem refrigerante, tente substituições que sejam tão prazerosas quanto um copo de coca-cola. Se não quiser abrir mão totalmente, permita-se pequenas doses aos finais de semana, então. Se você é do time do chocolate, opte pelo amargo (de 70 a 80% cacau já está excelente) e você pode consumi-lo todo dia (25g é a porção recomendada, ok?) que irá saciar sua vontade de comer o doce e também trazer muitos benefícios para seu corpo.
  7. Reduza o álcool. Cerveja ou vodka, em excesso todo tipo de bebida alcoólica faz mal ao nosso corpo e impossibilita de chegarmos aos nossos objetivos. Mais uma vez não se trata de abolir o choppinho do final do semana, mas apenas de consumi-lo com moderação e inteligência. Em vez de tomar 8 tulipas, por que não ir reduzindo 1 tulipa por vez e ir alternando com sucos naturais ou até mesmo água? Sem falar que é importantíssimo manter a hidratação durante ingestão do álcool.
  8. Beba água, muita água. A água limpa as impurezas do nosso corpo (diurética), hidrata o corpo, melhora a pele, dá sensação de saciedade e ainda é um termogênico natural quando gelada. A ingestão diária de água recomendada pelos especialistas é algo em torno de 2L a 3L por dia, e que nessa conta também entram os sucos naturais, chás e frutas com mais água, como melancia e melão. Leia mais sobre os benefícios da água aqui.

E para fechar com chave de ouro, reserve de 40 a 60 minutos diários para seu treino aeróbio. É a hora de suar a camisa e evaporar essas gordurinhas que não te pertencem. E aí você escolhe a atividade que mais te dá prazer: spinning, corrida, caminhada, pular corda, muay thay, boxe, escada… Se possível, vá alternando as atividades. Assim você não enjoa, nem fica de bode quando der a hora do treino. Aqui no blog a gente já deu algumas dicas para tornar os treinos mais agradáveis. Vai que alguma serve para você? 🙂

Essa semana ainda tem a parte 2 da missão “abdômen tanquinho”, e nós vamos falar sobre treino com a ajuda do personal André Prado. Fiquem de olho!

Super beijo.

O que você achou?