Eu testei a Dieta do Guerreiro por 15 dias e agora vim contar o que achei e os meus resultados também!
0 Gostou

A Dieta do Guerreiro: testei e vim contar

Há algum tempo eu já vinha nutrindo uma certa curiosidade sobre a Dieta do Guerreiro conforme ia vendo algumas pessoas (e seus resultados, claro) no Instagram. Até que recentemente, a minha nutri (Louise Hamoy) me propôs o teste por 15 dias para ver como meu corpo iria reagir, até mesmo pra dar um novo estímulo ao metabolismo. Fiquei mais que animada! Então, agora que já encerrei o teste, vim contar tudo pra vocês: sobre a dieta, a minha experiência e os meus resultados.

O que é a Dieta do Guerreiro?

O nome original do protocolo é Warrior Diet e foi criado por Ori Hofmekler.

Pro autor, a Dieta do Guerreiro vai além dos benefícios ao corpo (em estética e saúde): existe um certo romantismo em cima do “espírito guerreiro” que o protocolo diz deixar permanentemente ativado, fazendo com que você se torne uma pessoa mais ativa, mais forte, com mais energia e mais instintiva.

Essa não é uma dieta baseada na cetogênica ou na Paleo, e o autor deixa isso bem claro. Até mesmo porque ele recomenda o consumo de mais carboidratos (lógico, sem excessos desnecessários) no período de alimentação e sugere que as proteínas sejam magras pra evitar a “temida” gordura saturada.

No meu caso, adaptamos à Paleo/lowcarb.

Como funciona?

O autor propõe uma rotina de 20h de jejum (o que ele chama de undereating, e que estimularia o Sistema Nervoso Simpático – responsável pelos mecanismos de luta ou fuga) seguida por 4 horas em que você pode e deve se alimentar (overeating, que estimularia o Sistema Nervoso Parassimpático – responsável pelo “relaxamento” e por isso é mais recomendado de ser feito à noite).

Se você ainda não sabe o que é jejum intermitente, seria legal dar uma lida neste meu post aqui antes de continuar lendo este texto!

No undereating, você pode consumir líquidos não calóricos à vontade e, se precisar, alguns “belisquetes”: frutas e vegetais crus, suco fresco e algumas porções de proteína magra. Só não pode consumir carboidratos pra não estimular a produção drástica de insulina e cortar os efeitos benéficos do jejum, de acordo com o autor. Esse período sem se alimentar pode variar de 18 a 20 horas, mas o padrão é 20h.

overeating (as demais horas do dia, geralmente uma janela de 4 horas de duração se você fizer as 20h de jejum) é a hora da “comilança”. O autor defende “one big meal”, no entanto, ele estabelece algumas “regrinhas” quanto a esse período:

  • Coma uma refeição por dia, preferencialmente à noite
  • Não conte calorias, mas também não coma mais do que o seu corpo precisa
  • Não beba líquidos durante as refeições: sua saciedade será medida pela sua sede e não pela sua fome.
  • Incorpore o máximo possível de sabores, texturas, aromas e cores na sua refeição
  • Comece a comer pelos vegetais e proteínas, finalizando com “comida energética” (carboidratos ou gorduras)
  • Incorpore o máximo possível de sabores, texturas, aromas e cores nas refeições
  • Use o máximo de orgânicos possível, das hortaliças aos produtos de origem animal (livres de hormônios)
  • Evite alimentos transgênicos
  • Atenção às combinações alimentares:
    • Proteínas e vegetais combinas com tudo
    • Açúcar, amido e gordura não combinam entre si
    • Álcool combina com proteína, vegetais e gordura
  • Exercite-se durante o overeating, de preferência treinamento resistido (musculação) – essa não é a hora de fazer exercícios aeróbicos, como corrida.

Quem pode fazer?

O autor diz que não há restrições. Mas como estamos falando de um protocolo de jejum intermitente, é válido ressaltar que longos jejuns são recomendados a indivíduos adultos saudáveis. Melhor ainda se for um adulto saudável cetoadaptado (ou seja, que já está adaptado a usar a gordura como via energética e não os carboidratos). Eu, particularmente, não recomendo o JI a pessoas que não cumprem esses “pré-requisitos”.

Já quanto ao aspecto psicológico da coisa, acredito que o protocolo cabe mais às pessoas que gostam de seguir regras e não têm problemas com isso. Faço esse parênteses porque conheço muita gente que não consegue seguir regras mais rígidas quando o assunto é alimentação – bate aquela ansiedade, aí a pessoa espana. Eu achava que não conseguia seguir regras mais rígidas, mas consegui seguir

Por quanto tempo?

O autor diz que é um estilo de vida, ou seja, não é uma dieta temporária e sim algo pra vida inteira. Aí vai da preferência do freguês.

Eu fiz apenas por 15 dias por orientação da minha nutricionista.

Resultados esperados?

Hofmekler lista nos livros vários benefícios, mas selecionei os principais que acho que podem interessar mais:

  • Redução da massa gorda (segundo o autor, até mesmo aquela “gordura teimosa” que não sai nem com reza braba – por exemplo, interno das coxas ou culote)
  • Aumento de massa magra
  • Consequentemente, aumento do metabolismo basal
  • Aumento na produção de GH (hormônio do crescimento, liberado em períodos de jejum)
  • Menos fome
  • Mais saciedade
  • Mais prazer ao se alimentar (por não ficar pensando em restrições de alimentos ou de porções)
  • Melhora da imunidade e otimização dos processos de cura do corpo físico durante o jejum (acredito eu que seja por causa da maior liberação de GH, que contribui pra reconstruir/reparar tecidos)
  • Melhora do desempenho intelectual
  • Melhora do desempenho físico
  • Maior libido

Como eu fiz

A nutri Louise montou um cardápio pra mim de 15 dias com 3 refeições diárias, totalizando 1.500 kcal/dia. Eu ficava 20h em jejum (consumia apenas líquidos não calóricos, como café, chá e água) e me alimentava durante 4 horas no período da tarde.

O autor da dieta diz que, por instinto, o ideal seria se alimentar à noite com uma “big meal”. Mas à noite pra mim seria impossível. Já imaginou ficar comendo um tanto de comida no meio das aulas? Inviável! Então, escolhi o período da tarde, que é quando eu tô aqui em casa trabalhando, estudando etc. Além disso, em vez de one big meal, minha comida foi distribuída em 3 refeições consideráveis!

Apesar dele defender os “snacks de proteína” em jejum, achei desnecessário. Já estou acostumada a jejuar e achei que não seria necessário, então a nutri montou a minha dieta partindo desse pressuposto.

Sobre a dieta, não vou abrir detalhes por motivos óbvios (individualidade biológica, respeito ao trabalho da nutricionista e respeito também ao meu investimento nas consultas), mas era mais ou menos assim:

Primeira refeição do dia (desjejum), às 13h:

  • 450g de comida, entre proteína animal, muitos legumes e vegetais, e alguns gramas de carboidrato (batata doce ou mandioquinha/batata baroa, por exemplo). Temperava minha comida normalmente, com sal rosa, bastante azeite de oliva extra virgem nos legumes e saladas, além dos meus temperinhos mágicos (porém sem bruxarias) nas carnes e omeletes.

Segunda refeição do dia (pré-treino), às 15h:

  • Depois dessa panqueca, eu ia treinar: nada de aeróbico, apenas estímulos anaeróbicos, de preferência treinamento resistido (musculação).
    • No meu caso, como eu ainda não tinha retornado à musculação de fato na academia etc, o meu treinador (André) me passou 3 treinos diferentes pra fazer em casa mesmo usando só o peso do meu corpo: tinha dia que eram séries só de flexão de braço (até a falha) + sprints na bike; outro, apenas membros superiores; e o terceiro eram algumas séries de remadas na barra paralela (também até a falha) seguido por séries de abdominais.

Terceira e última refeição do dia, às 17h:

  • Repete a primeira refeição, mas sem carbo-ostentação: 450g de comida, entre proteína animal, muitos legumes e vegetais. Azeite extra virgem e temperos sempre!

Foi assim todos os dias, por 15 dias. Comendo e treinando, religiosamente. Eu tinha que comer exatamente isso, nem a mais nem a menos, com fome ou não.

Encerrando mais um jejum de 20h com um ranguinho honesto, colorido e muy saboroso ? Hoje completo 1 semana de #DietaDoGuerreiro e tá tudo sob controle. Na verdade, tá sendo mais fácil do que eu esperava. Acho que me dou bem com protocolos que exigem disciplina espartana ? Em termos de perda de gordura, não senti a diferença que eu esperava, mas nem por isso vou desanimar porque tenho notado outros resultados tão bons quanto emagrecer: • meu corpo tá mais firme, com a musculatura mais tonificada. Minha mãe disse que notou diferença nas minhas pernas e no meu bíceps (tensionado). Eu senti mais nas costas. • mais força física e resistência muscular • cada vez menos celulite • MUITO mais disposição durante o período de jejum, especialmente pra atividades intelectuais. Nessa fase de provas, então, tem me ajudado muito! • controle da compulsão (nenhum episódio em 7 dias!) e vontade nenhuma de comer doces, massas, salgados e cia ltda ? • melhora da acne! Bom, so far so good! Vamos em frente! Semana que vem volto na nutri pra fazer avaliação desse período e aí sim vou fazer post no blog contando tudo sobre a dieta e a minha experiência ?

A photo posted by t i c i a n e t o l e d o (@ticianetoledo) on

 

Resultados obtidos

Então vamos aos resultados que eu consegui conquistas nesses 15 dias:

  • -2.6%BF (a maior redução de gordura aconteceu nas coxas!)
  • +2kg de massa magra
  • -900g na balança
  • Abdômen: sem alterações em medidas, mesmo tendo perdido dobras e gordura. Isso levantou a hipótese de alguma inflamação intestinal (sim, meu intestino vira e mexe dá uns tilts – esse é meu ponto fraco, sempre foi) que impediu de ver alguma redução na fita métrica.
  • Menos celulite
  • Pele mais firme
  • Músculos mais tonificados

Como me senti:

Já falei anteriormente que eu gosto muito de jejuar. É quando me sinto mais desperta e produtiva, principalmente intelectualmente. Como trabalho com produção de conteúdo (pra mim e pros meus clientes) e ainda tem a faculdade, acaba que eu estimulo muito mais o intelectual do que o físico no meu dia a dia.

Também foi ótimo do ponto de vista de controle de vontades e desejos por doces. Eu passei a primeira semana sem nem sequer pensar em açúcar, daí veio a TPM e me abalou. Mas mesmo quando bateu a vontade, não foi o suficiente pra me tirar da linha. Então vejo isso como um ponto super positivo do jejum e de uma alimentação lowcarb.

A evolução nos treinos também foi super nítida nesse curto período de tempo! A minha resistência às flexões de braço e a qualidade delas aumentou DEMAIS e isso me deixou um pouco chocada pra ser sincera. Não esperava tanto assim! Uma grata surpresa ♥

Prós e Contras da Dieta do Guerreiro

Prós: acho que meus resultados ali em cima já contam como prós, né? =)

Contras:

  • Horários x vida social. Como eu só me alimentava durante à tarde, não conseguia conciliar meus horários de “comilança” com as refeições da minha família e dos amigos. Então, quando eu ia me encontrar com outras pessoas, ficava só assistindo as refeições alheias e tomando minha água. Não que isso fosse um sofrimento, mas era chato ter que explicar o motivo às pessoas (principalmente pra quem não acompanha o raciocínio ou tem a cabeça mais fechada). Chegou uma hora que eu apenas respondia: “não quero, tô sem fome, obrigada”
  • Muita comida pra pouco tempo: tinha dias que eu tava de saco cheio de ter que comer tudo aquilo em poucas horas, com fome ou não. Pra mim que já tô adaptada a comer só quando tenho fome, foi um pouco incômodo ter que comer sem fome.
  • Pouco tempo pra muita comida: nesses dias, minhas tardes se resumiram à comer e treinar. Ficava corrido demais pra fazer qualquer outra coisa nesse período. Isso me causava um certo stress porque odeio me sentir “apressada” ou “atrasada”. Da próxima vez que eu fizer, vou ter que bolar uma forma de me organizar melhor pra não me sentir tão afogada e afobada assim.

Pra mim, os prós superam os contras, então valeu SUPER a pena e com certeza quero repetir esse protocolo mais vezes!

Se você quiser se aprofundar no assunto, recomendo a leitura do livro Warrior Diet (ainda sem tradução para o português, até onde eu sei):

warrior diet dieta do guerreiro

O meu eu comprei na Amazon.com (versão Kindle)

E vocês? Já ouviram falar da Dieta do Guerreiro? Já fizeram? Tem vontade de tentar?

2 Comments

  • Tamara Alves

    May 06, 05 2016 09:41:42

    Simplesmente encantada!
    Seus relatos sao precisos e dão conta plenamente em passar quanto vc é gente como a gente. Rs
    Parabens!
    Sou lchf ja ha quase 3 anos e achei vc caçando textos sobre o efeito sanfona. Imagina minha situaçao atual? Exatamente isso…7 kg acima, jacando dia sim dia não. Ta foda! Mas como vc disse no texto sobre efeito sanfona. Lchf é o caminho qye escolhi pra chamar de meu. O conheço e estou na luta para retoma-lo.
    Comecei a faculdade EAD, peguei dengue e putz. 7 kg depois, compulsiva de novo, ciente do que nao funciona. Rs
    É só lutar! Mas ai a gente recomeça e cai no meio do caminho e se pergunta o que ta faltando. Tá faltando uma vontade realmente forte. O desejo que guia a ação humana. Precisamos desejar realmente ne?
    Sobre a dieta do guerreiro já testei tb e gostei.
    Me diga Tici como é pra vc enfrentar aqueles fanstasmas que rondam quem faz dieta ‘tmb reduzida’ ‘set point’ e o lowcarb só funciona no inicio. Sempre estudei muito tb. Percebo que tenho todas essas informações no meu bqnco de dados mental. Mas como estou gorda e vacilando, fico me auto punindo com pensamentos pessimistas. Rs
    Parabéns de novo!
    Vou ler tudo e volto pra te contar sobre minha virada. Vai ser um estimulo extra com certeza!

    • Ticiane Toledo

      May 12, 05 2016 10:38:31

      Oi, Tamara! Que bom que a impressão que teve é a mensagem que busco passar: aqui somos todos iguais E REAIS acima de tudo <3 Obrigada pelas palavras e principalmente pela sua confiança em compartilhar a sua história comigo. Sei que nem sempre é fácil se abrir e expor nossas vulnerabilidades. Mas você tem senso crítico e já sabe o caminho do sucesso, então tenho fé na sua recuperação, querida!
      Quanto a mim, vira e mexe eu também fico presa a alguns pensamentos pessimistas agora que to nessa fase em que não consigo muitos resultados como antes, depois de ter engordado de novo (tem um post onde conto isso) etc. Mas ao mesmo tempo, eu sou muito "teimosa", sabe? Eu sei que posso ir além pq eu já fui um dia, então não me conformo mais com o que tenho hoje e vou atrás de respostas e soluções. E essas tentativas não me fazem mal porque eu aprendo horrores com elas! Então vejo que tô sempre em vantagem, mesmo sem os resultados "estéticos" esperados =)
      Quero saber de você, hein? Conte comigo! Um beijo

O que você achou?